Produtoras se inspiram em guerras para criar jogos de tiro

quinta-feira, 29 de julho de 2010



Segunda Guerra Mundial é tema de grande parte dos jogos.
G1 apresenta os principais games de tiro baseados em guerras.
Gustavo Petró
Do G1, em São Paulo


A possibilidade de utilizar games para levar ao público elementos de guerras e de conflitos históricos fez com que as produtoras de jogos eletrônicos investissem na produção de títulos com este tema.

No início, a Segunda Guerra Mundial foi o tema preferido destes jogos. Com pesquisas aprofundadas e entrevistas com quem participou dos combates, os jogos se tornaram um documento interativo do que ocorreu na época.
Nos últimos anos, a tentativa de apresentar combates mais recentes nos games causou polemica. O jogo de tiro “Six days in Fallujah”, que mostraria a investida norte-americana no Iraque, foi cancelado. O motivo foi a polemica de mostrar soldados dos Estados Unidos morrerem em combate. A saída para as empresas foi mostrar a guerra do Vietnã, como em “Call of duty: black ops”, a Guerra do Afeganistão de 2001 no jogo “Medal of honor” ou partir para uma batalha moderna fictícia, no caso de “Modern warfare”.

O G1 apresenta os principais games de tiro que apresentam temática de guerras históricas e que, mesmo jogando e se divertindo, permitem conhecer um pouco mais do que aconteceu na época.

'Medal of honor’
O primeiro game da série “Medal of honor” foi lançado em 1999 para o Playstation. Dirigido pelo cineasta Steve Spielberg, o jogo de tiro em primeira pessoa leva o gamer para o período final da Segunda Guerra Mundial, entre os anos de 1944 e 1945. Na pele de um soldado norte-americano, o jogador tinha que enfrentar os nazistas em diversas fases.

Parte da pesquisa feita pelos produtores trouxeram armas, como metralhadoras rifles, e locais reais onde ocorreram as batalhas. O destaque do jogo ficou por conta da ambientação, com cidades reais e conversas em alemão, que, para a capacidade dos videogames da época, fez com que o titulo recebesse diversos prêmios.

Com o sucesso do jogo, outros títulos vieram na sequência, como “Medal of honor: underground”, que mostrava acontecimentos anteriores ao primeiro jogo, e tinha uma mulher francesa como protagonista. “Medal of honor: rising sun” levou o jogador para a batalha de Pearl Harbor, enquanto “European assault” mostrou confrontos na União Soviética, Bélgica, França e no norte da África. No total, 15 jogos da séria foram lançados até o momento para todos os consoles e PC.


Após uma série de jogos baseados na Segunda Guerra Mundial, a produtora Electronic Arts decidiu renovar a série. Em parceria com o exército dos Estados Unidos, fez com que a nova versão de “Medal of honor”, que será lançada em outubro próximo para Playstation 3, Xbox 360 e PC, focasse em conflitos modernos. No caso do game, o do Afeganistão, que começou em 2001.

Desse modo, os jogadores terão que enfrentar insurgentes talibãs durante a operação “Enduring freedom”, controlando soldados Tier 1. Suas missões, como na vida real, envolvem eficácia e discrição, evitando ao máximo ferir civis. Os produtores dos games entrevistaram diversos soldados para tentar trazer uma grande riqueza de detalhes ao titulo do Gênero de tiro em primeira pessoa.

Os confrontos exigirão o uso de veículos como do helicóptero Apache e tanques. Para as missões, foram entrevistados soldados que participaram da operação, fazendo com que os objetivos sejam inspirados em elementos reais como invasão de esconderijos de terroristas, salvamento de reféns e operações secretas.

'Call of duty'
Uma das séries de guerra de maior sucesso dos videogames foi criada por conta do sucesso de “Medal of honor”. Em novembro passado, a franquia “Call of duty” vendeu mais de 55 milhões de unidades em todo o mundo, com um faturamento de US$ 3 bilhões.

Lançado em 2003, o primeiro “Call of duty” trazia uma história que permitia participar de três lados da Segunda Guerra Mundial: os americanos, os britânicos e os soviéticos. Na pele de um soldado dos Estados Unidos, o jogador participava do Dia D, na Normandia. Como britânico, era preciso capturar a ponte Pégasus e, como soviético, o game mostrava a batalha de Stalingrado.

Até “Call of Duty 3”, a série de tiro em primeira pessoa mostrava a Segunda Guerra Mundial. Mas em “Call of duty 4: modern warfare”, o game mostrou uma conflito moderno, embora fictício. A série voltou à principal guerra do século XX em “Call of duty: world at war”.

O game mais recente da franquia, “Call of duty: black ops”, que chegará às lojas em novembro, mostrará conflitos que ocorreram durante a Guerra Fria, principalmente a Guerra do Vietnã. Para isso, os produtores do game consultaram ex-militares do exército norte-americano e também Spetsnaz.

Como novidade na série está a possibilidade de se pilotar helicópteros e controlar outros veículos. Ao lado de armamentos tradicionais da época, os soldados poderão usar protótipos de armas que só viriam a ser usadas anos depois.

A narrativa do modo para um jogador, marca tradicional da franquia, colocará o jogador na pele de mais de um personagem que estará em diversos confrontos ao longo da história.
O jogador controla um comandante que deve guiar seu grupo no campo de batalha, indicando qual o melhor caminho a seguir e a quem devem atacar. Alem disso, é necessário controlar o personagem principal e combater os nazistas.

A mecânica de jogo animou os gamers que gostam de uma dose de estratégia em um jogo mais voltado para a ação. O ritmo dos confrontos também é um pouco mais lento, permitindo que o jogador organizasse sua equipe da melhor maneira possível.

'Battlefield'
Embora “Battlefield”, produzido pela Electronic Arts, apresente uma guerra fictícia no período atual, dois jogos da franquia trazem conflitos reais do passado para os PCs e videogames como “Batlefield vietman”e “Battlefield 1942”.

Em “Vietnam”, os jogadores poderão vivenciar um pouco do que foi a Guerra do Vietnã, embora as missões apresentadas não sejam baseadas em fatos reais. Armas, como a AK-47 e veículos como o jato Mig 21 estavam disponíveis. Musicas da época foram licenciadas para o título.


'Brothers in arms'
Com história baseada nos confrontos da Segunda Guerra Mundial, “Brothers in arms”, produzido pela Ubisoft, se diferenciou quando lançado em 2005 por apresentar um esquema de jogo baseado no controle de tropas.

Por outro lado, “Battlefield 1942” traz um cenário de Segunda Guerra Mundial voltado para partidas on-line. Apresentando cidades e localidades reais, as missões são fictícias.

'Six days in Fallujah'
Tentar levar para os games alguns dos confrontos armados mais sangrentos que ocorrem no Iraque fez com que a produção de “Six days in Fallujah” fosse cancelada. O motivo foi que o título do gênero de tiro em primeira pessoa, que seria distribuído pela produtora Konami, queria mostrar os problemas que o Exército norte-americano tem na cidade iraquiana ainda controlada pela milícia local.

O jogo traria como missões os bombardeios quase que diários à cidade. Uma delas mostraria o ataque à um comboio da Blackwater Security Consulting, em 31 de março de 2004 que matou quatro soldados. Seus corpos foram queimados e depois pendurados em uma ponte para mostrar ao mundo do que a milícia era capaz.

Todos os problemas do exército dos Estados Unidos, que chegou a ser acusado de utilizar bombas napalm contra os cidadãos de Fallujah impediram que o titulo fosse lançado para PC e consoles. Veteranos de guerra e grupos de paz afirmaram que o game não poderia “mostrar as vidas perdidas nas batalhas”.

A Atomic games, que estava desenvolvendo o game em parceria com os Fuzileiros navais norte-americanos, queria criar um jogo de tiro em primeira pessoa dos mais realistas. Entrevistas foram feitas com soldados e com membros da milícia iraquiana, o que permitiria mostrar táticas de combate reais no game. A desenvolvedora disse em março passado que o jogo estava pronto para ser comercializado e que a empresa buscava uma produtora para levar o jogo às lojas.

Game de tiro 'Killzone 3' terá versão em português brasileiro


Jogo em primeira pessoa terá suporte para tecnologia 3D.
É o primeiro título da Sony com dublagens e textos para o Brasil.

Do G1, em São Paulo


A Sony anunciou que o game de tiro em primeira pessoa "Killzone 3" será lançado no Brasil com dublagens e textos em português brasileiros.

"Este é um anúncio que há muito tempo gostaríamos de fazer, pois entendemos o potencial de nosso mercado e estamos trabalhando para melhorar a experiência de jogo do consumidor brasileiro", afirmou Anderson Gracias, geral geral da divisão PlayStation da Sony no anúncio feito durante o Destination PlayStation, no México, nesta quarta-feira (28).

Killzone 3 tem lançamento marcado para fevereiro de 2011. (Foto: Divulgação)Outros títulos da empresa, como "Heavy Rain" já haviam saído em português, mas sempre o de Portugal, com expressões do país. "Killzone 3" tem previsão de lançamento para fevereiro de 2011. O game será compatível com o PlayStation Move, acessório que reconhece movimentos do jogador, e terá suporte para tecnologia 3D.

“Killzone 3” começa de onde seu antecessor parou e promete uma experiência mais rica aos jogadores, ao oferecer maior variedade de cenários, inimigos e ambientes mais amplos. Em um dos níveis, o jogador deve enfrentar um trio de Jetpack Troopers rápido e fortemente armado.

Câmera digital portátil que grava imagens 3D será lançada neste ano

quarta-feira, 28 de julho de 2010

A Panasonic apresentou nesta quarta-feira (28), no Japão, sua câmera digital SDT750, um aparelho portátil com lente qde conversão 3D. A lente, dividida em dois, registra duas imagens em alta definição que, sobrepostas, dão o efeito de três dimensões. (Foto: Shizuo Kambayashi/AP)





A SDT750 será vendida no Japão a partir de 20 de agosto, pelo equivalente a US$ 2 mil. A Panasonic pretende lançar o produto em outros países ainda neste ano. Nos EUA, o aparelho chegará em outubro e custará US$ 1,4 mil. (Foto: Shizuo Kambayashi/AP)



Portugal Telecom faz acordo de compra de 22,4% da Oi por até R$ 8,44 bi

Do G1, em São Paulo


A Telemar Norte Leste, empresa de telecomunicações conhecida como Oi, anunciou nesta quarta-feira (28) que assinou com a Portugal Telecom um termo de intenções para que a portuguesa compre participações direta e indireta na Oi. A informação foi divulgada por meio de fato relevante publicado pela empresa nesta quarta à Bolsa de Valores de São Paulo (Bovespa).

Comente esta reportagem


"A Oi permanecerá privada e nacional, sob o controle dos grupos Andrade Gutierrez e Jereissati, por meio de suas subsidiárias AG Telecom e LF Tel S.A, e da Fundação Atlântico", informou a Oi em comunicado enviado á imprensa.

O acordo prevê também, caso o negócio se concretize, a concessão de 10% das ações da Portugal Telecom ao grupo brasileiro.

De acordo com comunicado enviado ao mercado, a intenção oficializada é de comprar a participação de cerca de 22,4% da Portugal Telecom na Oi, "em bases diluídas", por uma quantia máxima de até R$ 8,44 bilhões. O acordo foi anunciado na esteira da negociação da empresa ibérica para venda de sua participação na Vivo para Telefónica.

O controle das companhias, no entanto, não será transferido. Com as operações, a Oi terá direito a participar do conselho de administração da Portugal Telecom, enquanto a portuguesa também terá direito a um representante no Conselho da companhia brasileira.

De acordo com a Oi, o negócio tem como foco a ampliação internacional: "as duas empresas irão desenvolver estratégias de cooperação para ampliar sua presença internacional, com foco específico na América Latina e na África; alcançar benefícios de escala; e potencializar iniciativas de pesquisa e desenvolvimento", disse em comunicado.

Do ponto de vista financeiro, a operação permitirá à Oi conseguir mais dinheiro para o caixa e diminuir seus índices de endividamento, informou a empresa.

O anúncio, no entanto, provocou reação negativa no mercado financeiro: por volta das 11h05, as ações ordinárias da Telemar caíam 10,02%, a R$ 37,7.

Vivo
Também nesta quarta-feira, foi anunciado que a Telefónica conseguiu chegar a um "princípio de acordo" com a Portugal Telecom para adquirir a participação desta na operadora Vivo. Por volta das 11h10, os papéis preferenciais da Vivo subiam 3,93%, a R$ 48,14.

Como será o negócio
De sua parte, a Portugal Telecom vai comprar participações minoritárias em dois acionistas controladores da Oi, a AG Telecom, do grupo Andrade Gutierrez; e a La Fonte Telecom, do grupo Jereissati. A empresa portuguesa também vai comprar 10% de participação direta na Telemar Participações, controladora da Oi, por R$ 4,24 bilhões.

“Essa operação permitirá à Oi ampliar sua capacidade de investimento e de expansão nacional e internacional, mantendo o controle da empresa em mãos brasileiras”, afirma Pedro Jereissati, presidente da Telemar Participações e acionista do grupo Jereissati.

“Trata-se de uma aliança industrial que dará à Oi a capacidade de desenvolver um projeto de telecomunicações de projeção global”, informou em comunicado o presidente da holding Andrade Gutierrez, Otávio Azevedo.

A operação de aliança envolve também propostas de aumento da capital da Telemar Participações e da Tele Norte Leste no valor de R$ 12 bilhões cada, mediante emissão de ações ordinárias e preferenciais.

A emissão da Tele Norte Leste Participações, a empresa operacional do grupo, será feita ao preço de R$ 38,5462 por ação ordinária e de R$ 28,2634 por ação preferencial. Já o aumento de capital da Telemar Participações, será ao preço de R$ 63,7038 por ação ordinária e de R$ 50,7010 por ação preferencial.

Desses aumentos de capital, a Portugal Telecom subscreverá ações até o valor deR$ 3,733 bilhões.

Marca francesa investe em scooter econômico e de preço baixo

terça-feira, 27 de julho de 2010


A Peugeot anunciou nesta terça-feira o lançamento de mais um scooter de baixo custo e motorização econômica, um segmento que cresce no mercado europeu. A Kisbee tem motor de 50 cilindradas e preço competitivo de 1.199 euros (R$ 2.750). A marca francesa tem outros modelos de scooters de baixo consumo na Europa, como Vivacity, Zenith, Ludix, V-Clic e o novo Vivacity.

A fabricante, que detém 19% de participação no segmento, diz que o foco desse tipo de motocicleta é quem busca "um meio de transporte simpático, confiável e prático para os pequenos trajetos". O lançamento tem motor de quatro tempos e consumo de 35 km/l, com autonomia para 200 km.

Ducati 848 EVO é evolução da espécie feita para as pistas

sábado, 24 de julho de 2010


Segundo uma das mais conhecidas teorias da evolução, os seres mais adaptados ao meio têm mais chances de sobreviver. No mundo das motocicletas esportivas essa adaptação significa mais potência e maior poder de frenagem -- tudo para diminuir o tempo de uma volta. Com a proposta de ser uma moto “projetada pelo cronômetro”, a Ducati lançou nesta semana uma evolução de sua superesportiva média: a 848 EVO modelo 2011.

O maior destaque da evolução da 848, como sugere o nome, fica para o afinado motor Testastretta com números impressionantes. Com 848 cm3 ele agora gera 140 cv a 10.500 rpm e 10 kgfm a 9.750 rpm. O propulsor de dois cilindros em “L” (um “V” a 90°) conta com arrefecimento líquido e o conhecido comando de válvulas desmodrômico. São quatro válvulas por cilindro que foram retrabalhadas e a compressão foi aumentada para 13.2:1. Segundo a marca, o novo modelo agora está mais fácil para pilotar apesar de seu peso ter sido mantido em 168 kg.

Outra evolução significativa foi feita no sistema de freios, que recebeu uma nova pinça monobloco feita em alumínio da grife Brembo. Se isso não bastasse cada conjunto tem quatro pistões segurando os discos dianteiros de 320 mm cada. Além de aumentar o poder de frenagem, o sistema foi ajustado para proporcionar mais “tato” ao piloto.

SINTA-SE O CASEY STONER
Seguindo os passos de sua irmã maior, a 1198, a 848 EVO reúne a maioria das soluções da marca. São eles o quadro de treliça, amortecedor de direção, saída dos escapamentos por baixo do banco e a suspensão traseira do tipo monobraço. Até mesmo as rodas são feitas com cinco raios em “Y” para a redução de peso.

O painel em LED é totalmente digital e completo, marcando até mesmo o tempo de volta. Para os amantes da velocidade é possível também equipar a 848 EVO com o sistema Ducati Data Analyser (DDA). Com ele é possível baixar os dados de aceleração, velocidade e até mesmo posição do acelerador para um computador, via USB. Um equipamento de telemetria digno de um piloto de MotoGP. As carenagens são feitas para melhorar a aerodinâmica sem perder a tradição da marca. Ainda não existe previsão de quando esta moto chega ao Brasil. Seja em um passeio ou durante um trackday o piloto vai ser sentir o próprio Casey Stoner. (por Lucas Rizzollo)




Exótica, Regal Raptor Black Jack sai customizada de fábrica



Chinesa, Black Jack é passaporte para o mundo das bobbers por R$ 15.580

Para quem gosta de motos e esteve no Salão das Duas Rodas 2009 com certeza vai se lembrar das exóticas motos expostas no estande da MVK. Uma custom batizada de Ghost e uma bobber -- outro tipo de customização -- chamada Black Jack, modelo que atraiu olhares curiosos durante o evento. As motos são fabricadas pela chinesa Regal Raptor e vendidas no Brasil pela Tecmoto (detentora das marcas MVK e Regal Raptor).

Antes de conhecer melhor a Black Jack é importante dizer que o modelo foi idealizado para agradar primeiramente aos olhos e não para ser uma escolha racional de motocicleta. Ela não é prática, rápida ou versátil. Principalmente pelo seu maior diferencial, a ausência de suspensão traseira, chamada de hard tail, o popular rabo duro.

FICHA TÉCNICA
Regal Raptor Black Jack
Motor Dois cilindros em linha, 320 cm3 duas válvulas por cilindro, OHC, refrigeração líquida
Transmissão Cinco marchas, por corrente
Potência 22,8 cv a 8.000 rpm
Torque N/D
Suspensão Garfo telescópico na dianteira; Hard Tail na traseira, com amortecimento no assento
Freios Disco duplo com 300 mm e duplo pistão (dianteiro) e disco simples 240 mm e duplo pistão (traseiro)
Dimensões 2.400 mm de comprimento, 830 mm de largura e 1.150 mm de altura. Entre-eixos de 1.680 mm
Chassi Berço duplo
Peso 160 kg
Cores Preta
Preço R$ 15.580
É impossível levar garupa e o piloto tem um banco individual amortecido apenas por uma mola parecida com a de uma mountain bike. Logo, acelerar em vias esburacadas e acomodar bagagens para longas viagens não combinam com a Black Jack. Mas se falta praticidade, sobra design. Tudo no modelo é cheio de estilo, dos comandos avançados até o tanque de óleo. Já o tanque de combustível tem apenas 9 litros e não tem trava, tudo para manter o estilo bobber. Em função do design o piloto da Black Jack vai cansar de ouvir elogios. E acredite, a moto é ainda mais bonita ao vivo.

PILOTANDO A "MAGRELA"
Diferente da maioria das motocicletas custom, que usam o tradicional “V2”, o modelo chinês é equipado com um propulsor de dois cilindros paralelos e 320 cm³ de capacidade. Alimentado por carburador, rende quase 23 cv de potência máxima a 8.000 rpm. Apesar das diferenças, o propulsor se mostrou elástico e adequado ao tipo de uso da moto.

O sistema de freios da Black Jack é formado por três discos do tipo margarida -- duplo com 300 mm na dianteira e simples de 240 mm na roda traseira -- e dotado de linhas de freios feitas em malha de aço (Aeroquip). Infelizmente, a frenagem é limitada em função da qualidade dos pneus, de origem chinesa. Na chuva a atenção deve ser redobrada.

Parado no semáforo com a Black Jack um motoboy disse: “Magrela, não? Só tem o quadro e o motor.” Fruto do seu estilo minimalista e beleza estética, a moto oferece baixo peso. Com 160 kg, a Black Jack pode não ser uma “magrela”, mas perto de uma Honda Shadow e seus 247 kg, parece um brinquedinho em duas rodas.

Outro item que literalmente chama atenção é o ronco grave que sai dos escapamentos. Em marcha lenta parece calmo, mas basta girar o acelerador para o som ser propagado e, consequentemente, a moto abrir caminho entre os carros.

E falando em automóveis, a Black Jack traz um guidão alto e largo. Por isso é bom tomar muito cuidado nos deslocamentos urbanos ao rodar pelo corredor. Em estrada aberta a moto ganha velocidade fácil e anda com desenvoltura até os 110 km/h, depois disso o velocímetro entra em sua faixa vermelha e o conforto fica prejudicado.

No Brasil essa moto não tem concorrência direta. Quem mais se aproxima são as custom 250 como a Kasinski Mirage e Sundown V-Blade. Atraindo olhares de todos os lados não é difícil se imaginar na pele de Denis Hopper no filme Easy Rider (Sem Destino). Para quem quer fugir da mesmice e se destacar no trânsito sem precisar trocar nenhuma peça, a Regal Raptor Black Jack é uma boa opção. Uma bobber original de fábrica que custa R$ 15.580. (por Lucas Rizzollo)

Kasinski Mirage 650 é moto custom com estilo esportivo



A Mirage tem visual arrojado, motor de 80 cv e preço de R$ 26.500

A maioria das motos custom tem estilão clássico, meio retrô. Raras exceções ficam por conta da Harley-Davidson V-Rod e da nova Yamaha V-Max, que ainda não desembarcou no Brasil. Outra marca que também oferece um visual agressivo em sua linha custom de média cilindrada é a Kasinski Mirage 650 EFI. Estrela da marca com direito a filme publicitário em horário nobre, o modelo foge do lugar comum por meio de um desenho mais atual -- tanque afilado, quadro a mostra e lanterna traseira com LEDs --, mas sem deixar de lado o tradicional motor de dois cilindros em “V” a 90 graus e muitos cromados. O preço sugerido da Mirage 650, que na realidade é fabricada pela sul-coreana Hyosung, é de R$ 26.500.

De espírito jovem, a moto realmente chama atenção por onde passa. Em uma parada para abastecimento, um motociclista fez um comentário que resume bem esta história: “Bonita hein! Quantas cilindradas?”. Depois de informado que era a Kasinski Mirage de 650 cm³ de capacidade cúbica e 80 cv de potência máxima, ele respondeu: “Pelo porte e estilo esportivo dessa custom, pensei que tivesse um motor mais potente”.

MOTOR VIGOROSO
Depois da parte estética, o motor desta custom merece destaque. Com duplo comando no cabeçote (DOHC), o V2 de 647 cm³ de capacidade está equipado com refrigeração a água e injeção eletrônica de combustível. O propulsor da Mirage 650 gera potência de 80,7 cv a 9.250 rpm e 6,9 kgfm a 7.250 rpm de torque máximo. De comportamento vigoroso e boa retomada, o motor -- o mesmo utilizado na esportiva Comet GT 650 R EFI -- tem melhor rendimento em médios e altos regimes de rotação.

Quando giramos o acelerador sem dó, o consumo de combustível da moto foi de 16 km/l. Mas, mantendo velocidades entre 90 e 120 km/h, a Mirage 650 fez até 20 km/l. Na média, a moto pode rodar quase 300 km com um tanque de combustível (16 litros). Avaliada praticamente todo o tempo na estrada -- seu habitat natural -- a velocidade de cruzeiro é de 140 km/h. Nesse ritmo parece que o motor trabalha mais ‘relaxado’, apesar de a moto não estar equipada com sexta marcha over-drive.

Como nas Harley, a transmissão secundária da Mirage 650 é feita por meio de correia dentada. O ponto negativo ficou para o câmbio, que poderia ter engates mais precisos
CICLÍSTICA
Construída sobre um quadro tubular de berço duplo, o modelo conta com suspensão invertida (upside-down) com regulagem e 126 mm de curso. Na traseira, tradicional sistema bichoque ajustável e com 130 mm de curso. O conjunto é macio e absorve bem as imperfeições do piso. Claro que rodando nas ruas e avenidas esburacadas de São Paulo, a moto sofreu bastante com o asfalto irregular, porém na estrada com asfalto liso o funcionamento do conjunto de suspensões esteve de acordo com a proposta da moto.

Já nos freios a Mirage 650 está equipada com disco em ambas as rodas. Na dianteira, duplo de 300 mm de diâmetro com pinça de dois pistões fixada radialmente. Na traseira, simples de 260 mm de diâmetro com pinça de dois pistões.

O sistema está bem equalizado e de acordo com a proposta estradeira da moto. Além disso se comportou muito bem quando exigido ao extremo. Para ajudar no trabalho de amortecimento e frenagem, a Mirage está equipada com pneus Bridgestone – 120/70-ZR 18 (D)/ 180/55-ZR 17 (T).

TESTE CEGO E CONCORRÊNCIA
Se fizéssemos um “teste cego” entre os modelos custom disponíveis no mercado, ou seja, rodar com as motos sem saber qual a marca e modelo, com certeza o resultado apontaria gratas surpresas. Deixando os possíveis preconceitos de lado, com certeza a Mirage 650 superaria suas adversárias em alguns quesitos. A custom de média cilindrada da Kasinski oferece design diferenciado, motor com respostas rápidas e bons níveis de acabamento, ergonomia e conforto.

A moto tem assento em dois níveis e pedaleiras ajustáveis em duas posições para o piloto. O guidão não é muito aberto, o que facilita rodar no corredor e não cansa o motociclista na estrada. Os espelhos retrovisores estão bem posicionados e oferecem uma visão privilegiada dos veículos que se aproximam.

A custom da Kasinski é uma moto estável, equilibrada e confortável. Detalhe: o painel digital, que infelizmente não traz os giros do motor, está bem posicionado e conta com regulagem de luminosidade.

As principais concorrentes desta Kasinski são a Harley-Davidson 883R (R$ 25.990), Honda Shadow 750 (R$ 29.980), Yamaha XVS 950 Midnight Star (R$ 31.265), Suzuki Boulevard M800 (33.900) e a Kawasaki Vulcan 900 (R$ 33.990). Todas com preços e motores de maior capacidade cúbica se comparados ao da Mirage 650. (por Aldo Tizzani)

FICHA TÉCNICA: Kasinski Mirage 650
Motor: DOHC, 647 cm³, dois cilindros em V, quatro tempos, refrigerado a água.
Potência máxima: 80,7 cv a 9.250 rpm.
Torque máximo: 6,9 kgfm a 7.250 rpm.
Transmissão: Câmbio de cinco velocidades com transmissão final por correia dentada.
Suspensão: Garfo telescópico invertido com regulagem e 126 mm de curso na dianteira; balança bichoque ajustável, com 130 mm de curso na traseira.
Freios: Disco duplo de 300 mm de diâmetro com pinça de dois pistões fixado radialmente (dianteiro); Disco simples de 260 mm de diâmetro com pinça de dois pistões (traseiro).
Rodas e pneus: 120/70-ZR 18 na dianteira e 180/55-ZR 17 na traseira.
Dimensões: 2.430 mm de comprimento, 840 mm de largura e 1.155 mm de altura. Entre-eixos 1.665 mm, 160 mm de altura pro solo e 675 mm de altura do assento para o solo.
Peso: 167 kg.

Thor, Dr. Destino e Chun-li estarão em game 'Marvel vs. Capcom 3'

quinta-feira, 22 de julho de 2010


Amaterasu, do jogo 'Okami' também está entre os personagens.
Game chegará para o PlayStation 3 e para o Xbox 360 em 2011.


Do G1, em São Paulo


A produtora Capcom revelou durante a feira Comic-com, feira de cultura pop do mundo que acontece em San Diego, California, novos personagens que farão parte do game de luta “Marvel vs. Capcom 3: fate of two worlds”. Do lado da editora de quadrinhos, os heróis anunciados foram Thor, Dr. Destino e Super Skrull e, do lado da Capcom foram, Chun-li, Trish e Amaterasu.

Desse modo, são 16 personagens confirmados para o game, que já conta com Ryu, Morrigan, Felicia, Dante e Chris Redfield, da Capcom, e Capitão América, Deadpool, Hulk, Homem de Ferro e Wolverine que chega em 2011 para o PlayStation 3 e Xbox 360.


O esquema de controles também foi anunciado pela Capcom. Ele seguirá um esquema de comandos mais simples, como os de “Tatsunoko vs. Capcom”, outro game de luta da empresa. Este sistema permite criar facilmente sequências de golpes, permitindo que jogadores menos experientes possam se divertir no game. Ao mesmo tempo, o jogo trará sistemas de contra-ataque e de golpes especiais mais complexos, tradicionais da série. Assim, a Capcom pretende agradar a todos os gostos de jogadores.

O game irá rodar em uma resolução de 720p e terá gráficos 3D, mas a jogabilidade será em 2D, como em “Street fighter IV” – seguindo a tendência dos jogos “2.5D”. O visual do game remete às histórias em quadrinhos dos super heróis. Como em “Marvel vs. Capcom 2”, o esquema de batalhas é três contra três, permitindo que o jogador alterne de personagem em qualquer momento da luta e que possa combinar ataques especiais entre eles.

O título não rodará no mesmo motor gráfico de “Street fighter IV” e, sim, em uma versão atualizada do MT Framework, o mesmo utilizado em “Resident evil 5” e em “Lost planet 2”, que apresentam um belo visual.

Super-heróis encontram 'nova carreira' nos videogames



Personagens vão dos quadrinhos aos games sem passar pelo cinema.
'DC Universe Online' deve ser lançado ainda neste ano.
Os super-heróis estão desfrutando de uma nova carreira, e saltando diretamente das páginas dos quadrinhos para os videogames, sem que precisem fazer escala em Hollywood para retirar suas credenciais.

Para cada filme de grande orçamento, a exemplo de "Thor," da Marvel Entertainment, ou "Scott Pilgrim vs the World," da Universal Pictures, existe uma contraparte em forma de videogame mas, agora, muitos quadrinhos estão sendo transformados em jogos sem passar por Hollywood.

"Nem todo mundo lê quadrinhos, ainda que a maioria das pessoas conheça os super-heróis mais importantes. No entanto, a maioria das pessoas joga videogames," disse Jim Lee, coeditor da DC Comics e diretor executivo de criação do jogo "DC Universe Online," da Sony Online Entertainment.

"Os jogos são um portal para que tragamos mais pessoas ao mundo dos quadrinhos," declarou ele durante a Comic-Com International, maior convenção mundial de quadrinhos e arte popular, que acontece esta semana em San Francisco.

"DC Universe Online" é um título para múltiplos jogadores on-line (MMO) que está para ser lançado e permitirá que fãs criem seus super-heróis e interajam com personagens como Super-Homem, Batman e Mulher Maravilha em ambientes como Metropolis e Gotham City.

Lee disse que a DC Comics criará uma nova revista quinzenal chamada "DC Universe Online," que será lançada antes do novo jogo no final deste ano e estará integrada à história que serve de base ao título.

"Vamos procurar oportunidades nas quais possivelmente aproveitemos os personagens criados por usuários em um jogo, e os conduziremos ao mundo dos quadrinhos, dando aos participantes a emoção de fazer parte oficialmente do DC Universe," disse Lee.

Os jogadores mais jovens poderão vestir o uniforme do Super-Homem, surfar com a prancha do Surfista Prateado ou usar o escudo tricolor do Capitão América em "Marvel Super Hero Squad Online," um novo MMO da Gazillion Entertainment.

A Gazillion também está desenvolvendo um MMO para adultos, o "Marvel Universe," que será lançado nos próximos anos.

Criador de Homem-Aranha revela três novos super-heróis na Comic-Con



Stan Lee adiantou detalhes de personagens - entre eles, um cadeirante.
Maior feira de cultura pop do mundo começa nesta quinta (22) na Califórnia.


Os super-heróis revelados por Stan Lee na Comic-Con: do mesmo 'pai' de X-Men e Hulk. (Foto: Divulgação)O desenhista Stan Lee - que criou, entre outros, os super-heróis Homem-Aranha, X-Men, Hulk e Homem de Ferro - apresentou três novos personagens na feira de cultura pop Comic-Con, nos Estados Unidos. Revelados à imprensa nesta quarta-feira (22), os recém-chegados integrantes ao universo dos quadrinhos são Soldier Zero, The Traveller e Starborn.

Soldier Zero é um professor de astronomia cadeirante que, após um estranho acidente, se vê equipado com uma arma de guerra alienígena. O roteiro da HQ será escrito por Paul Cornell e o desenhista será o mesmo de "Superman", Javier Pina.

Já The Traveller traz um misterioso homem com poderes de viajar no tempo e lutar contra assassinos do futuro. O roteirista será Mark Waid e o desenhista, Chad Hardin, de "Amazing Spider-Man".

Por fim, Starborn conta a história de um "cara comum", mas herdeiro de um império intergalático que o põe em meio a uma guerra entre cinco raças de ETs. Sua HQ será roteirizada por Chris Roberson e a arte ficará a cargo de Khary Randolph, de "The X-Men".

Dos três heróis, um já tem data para chegar às lojas. A primeira edição da HQ "Soldier Zero" chega às livrarias dos EUA em outubro.

Movimento Paz no Transito, Paz no mundo

Padre Motociclista usa sua paixão pelas motos para promover ação de conscientização no transito


Segundo especialistas, o transito nas capitais brasileiras é um dos que mais causa mortes diariamente. Alguns comparam o vai e vem de veículos das grandes metrópoles à situações de guerra. Segundo a CET, em São Paulo, a frota de motos passa dos 823 mil veículos. Este número vem crescendo ano após ano, com a entrada de, aproximadamente 50 mil novas motos a cada ano. O número de ocorrências diárias também não é modesto. Os acidentes envolvendo vítimas de transito lotam a precária rede pública de saúde de todo o país.

Mas, enquanto as autoridades investem em formas para reduzir o nível de violência no trânsito, o jovem padre Claudiomiro Bispo lidera um movimento que há dois anos, prega a paz no transito. Fã das motocicletas desde pequeno, Padre Claudiomiro que também utiliza este meio de transporte diariamente, encontrou uma forma diferente e criativa de promover uma conscientização entre motoristas. Todos os meses, exatamente no último domingo de cada mês, ele reúne pessoas das mais diferentes religiões em torno de um ideal: mostrar para os motoristas que não vale a pena colocar sua vida em risco por conta da presa. A idéia é fazer com que cada motociclista transforme sua moto em um instrumento de Paz, cada motorista faça do transito um lugar melhor e mais pacifico; não importando se motorista pratica ou não alguma religião.

As chamadas Missas dos Motociclistas acontecem a partir das 10 horas e, sempre são finalizadas com uma carreata pelas ruas da cidade. Diversos motoclubes e empresas particulares de serviços de motoboys apóiam a iniciativa. Além disso, o movimento também promove diversas ações sociais, tais como a coleta de sangue, coleta de doações para a manutenção de obras sociais (creches e serviços ligados a terceira idade), entre outros.

No ano passado, aproximadamente 400 motos estiveram presentes no evento. Para este ano, o número esperado é bem maior, tendo em vista que Padre. Claudiomiro foi transferido da Igreja da Vila Mariana para a tradicional Paróquia da Mooca (Paróquia de San Gernaro) onde todos os anos é realizada uma das mais tradicionais festas da comunidade italiana.

Em comemoração ao dia do motociclista, a Missa especial será realizada antecipadamente neste domingo, dia 25 de julho e é aberta para todos os interessados. Não é necessário fazer inscrição e nem tão pouco ser motociclista. Todas as pessoas interessadas em promover o bem são bem vindas. A carreata deste ano percorrerá as principais ruas da Mooca.

Maiores informações: www.sangennaro.org.br

Tel.: 11 - 3209-0089 / 3207-1049
email: secretaria@sangennaro.org.br

Assessor de imprensa: Alessandro Treguer / Priscila Lanaro


Tel.: 11- 8276-4547/ 4974-7707
email: editor@grupoterabyte.com.br

Nos EUA, 37 estados investigam Google por coleta de dados

quarta-feira, 21 de julho de 2010


O procurador-geral de Connecticut conduz investigação multiestadual.
Carros do serviço Street View coletaram dados de usuários via Wi-Fi.
O procurador-geral do Connecticut (EUA) anunciou que 37 estados americanos vão investigar o Google sobre a coleta de dados pelo serviço Street View, segundo reportagem publicada pelo jornal "Wall Street Journal" nesta quarta-feira (21).

Richard Blumenthal lidera, desde o mês passado, um comitê interestadual que busca esclarecer se o serviço quebrou leis de privacidade ao capturar informações privadas de usuários de internet por meio de suas conexões Wi-Fi. Desde que admitiu ter coletado informações de usuários com seus carros, o Google enfrenta uma investigação informal sobre o assunto pela Comissão Federal do Comércio (FTC) dos Estados Unidos e diversos inquéritos em outros países e processos judiciais coletivos.

Em carta aberta enviada ao Google nesta quarta, Blumenthal pede detalhes sobre a coleta de dados, inclusive informações sobre uma possível venda ou uso das informações. A empresta tem até sexta-feira (23) para responder.

Blumenthal também pediu ao Google que informasse se o programa de coleta de dados foi testado, quanto tempo o softwares passou coletando dados, além do nomes dos empregados envolvidos.

Blumenthal diz que o Google vem colaborando, mas "as respostas que ofereceu até agora só serviram para gerar novas dúvidas". "Nossa investigação vai considerar se leis foram violadas e se mudanças nos estatutos federais e estaduais são necessárias", afirmou. A empresa alega que a coleta se tratou de um "erro" e que não fez "nada de ilegal".

A empresa revelou que sua frota estava coletando dados de redes sem fio em abril, mas na ocasião disse que nenhuma informação pessoal dessas redes estavam envolvidas no caso. Porém, depois de uma auditoria pedida pela Alemanha, o Google reconheceu em maio que estava recolhendo informações de maneira equivocada.

Rede social Foursquare passa dos


Há um ano, serviço tinha apenas 1 milhão de check-ins.
Foursquare ganha 100 mil novos usuários a cada dez dias

A rede social Foursquare, que permite compartilhar com amigos o local onde o usuário está por meio do GPS dos celulares e smartphones, passou dos 100 milhões de check-ins, ou seja, de entradas de usuários em diferentes locais. O número foi anunciado por meio do Twitter de um dos executivos da empresa na terça-feira (20).

Nos últimos meses, o Foursquare teve um crescimento considerável. Há um ano, a rede social tinha apenas 1 milhão de check-ins e há dois meses o número tinha crescido para 40 milhões de entradas. Em junho, a empresa anunciou que o Foursquare ganhava 100 mil novos usuários a cada 10 dias.

No Brasil, a popularidade dos celulares inteligentes está aumentando o número de usuários no serviço que, além de mostrar onde os amigos estão, apresenta dicas de restaurantes, de baladas e de passeios, por exemplo. As entradas podem ser divulgadas tanto no Twitter quanto no Facebook, permitindo que amigos que não estão no Foursquare saibam onde o usuário está. No Brasil, muitos restaurantes, por exemplo, já fazem promoções pela rede social baseada em geolocalização, oferecendo almoço de grátis para quem for o maior visitante do local.

Visitantes testam simulador 3D de Formula 1 na Eletrolar Show 2010






Game tem cockpit que 'sacode' conforme trepidações da pista.
Imagens em três dimensões dão maior noção de profundidade.





Quem visita a feira Eletrolar Show 2010 para conhecer as novidades em termos de eletrodomésticos e eletroeletrônicos para por alguns instantes para testar um simulador de Formula 1. As imagens são reproduzidas em três dimensões por meio de três telas. O recurso permite uma noção maior de profundidade para os pilotos virtuais, que podem fazer curvas e ultrapassagens com maior facilidade. (Foto: Gustavo Petró/G1)

Facebook passa dos 500 milhões de usuários


Rede social lançou aplicativo para compartilhamento de histórias.
Em post no blog do Facebook, presidente celebrou marca
O Facebook atingiu na manhã desta quarta-feira (21) o número de 500 milhões de usuários. Em um post publicado no blog da rede social, o presidente Mark Zuckerberg celebrou a marca e anunciou o lançamento do aplicativo Facebook Stories (Histórias do Facebook), no qual os internautas poderão compartilhar suas experiências no site.

"Este é um marco importante para todos vocês que ajudaram a espalhar Facebook em todo o mundo. Agora, muito mais pessoas têm a oportunidade de permanecer conectadas com as pessoas que gostam", escreveu Zuckerberg.

No Facebook Stories, os usuários podem compartilhar suas histórias e ler as dos outros, classificadas por temas e locais ao redor do mundo.

"Quando começamos, há seis anos, eu não imaginava que tantas pessoas usariam o Facebook", postou Zuckerberg. No post, o presidente do Facebook ainda publicou um vídeo de agradecimento aos usuários.

Procuradoria Geral do RJ exige mudanças para não fechar Orkut

A Procuradoria Geral do Estado do Rio de Janeiro entrou com uma ação civil pública contra o Google, citando que a rede social Orkut, a mais popular no Brasil, “teria se tornado palco de condutas ilícitas e criminosas". A ação, que afirma que dentre os delitos estão “crimes contra a honra, apologia ao crime, pedofilia, falsa identidade, dentre outros”, pode resultar, em caso extremo, no fechamento do Orkut no país. O órgão entende que, mesmo não podendo atribuir à empresa os crimes cometidos pelos usuários, o Google é co-responsável a partir do Orkut porque os problemas acontecem “em função de falhas na gestão do sistema”. A Procuradoria afirma que a empresa não possui qualquer mecanismo eficiente de controle do conteúdo, impedindo de verificar a identidade daqueles que acessam o seu serviço. O Google tem 120 dias para tomar providências que possam impedir os crimes cometidos no Orkut. Na lista de medidas estão manutenção de IPs e de registros de acesso de usuários em comunidades, desenvolvimento de um sistema que identifique perfis, comunidades ou páginas dedicadas à pedofilia e a crimes, inclusive de marcação de brigas entre torcidas de agremiações esportivas rivais, comunicando a existência ou suspeita de existência imediatamente ao Estado. Um sistema com palavras-chave seria criado para facilitar a busca por estes temas. Em caso de descumprimento das medidas, a Procuradoria requer que "o serviço oferecido pelo site seja interrompido e o Google sofra multa não inferior a R$ 100 mil por dia". A ação apresentada na 10ª Vara de Fazenda Pública do Rio de Janeiro ainda solicita que seja realizada uma campanha midiática, incluindo jornais, rádio e televisão em horário nobre, com o objetivo de alertar pais e responsáveis sobre os riscos de utilizar a internet e o Orkut. O Google afirma que ainda não foi notificado da existência da ação e, por conta disso, não comenta o assunto. Procurada pelo G1, a empresa disse que “reafirma seu comprometimento com o respeito à legislação brasileira”. A companhia também disse que "oferece plataformas tecnológicas para que milhões de pessoas possam criar e compartilhar seus próprios conteúdos e que o uso indevido da liberdade destes serviços que desrespeitem as normas de uso dos serviços que estão claramente expressas nos respectivos sites, são passível de denúncia pelos usuários".
“Quando o conteúdo claramente ferir uma dessas regras, ele será automaticamente removido. Nos casos em que houver dúvida, os pedidos deverão ser avaliados pelo Poder Judiciário”, diz a nota enviada pelo Google ao G1.

A produtora MTV Games divulgou que o game “Rock band 3”, terceira versão da série musical desenvolvido pela Harmonix, chega no dia 26 de outubro. A no

terça-feira, 20 de julho de 2010






Horex é uma marca legendária do motociclismo alemão. Suas motos foram fabricadas de 1923 até 1956. Os modelos mais famosos foram a Regina e a Imperator. Na década de 60, a marca passou por mudanças de nome em várias ocasiões.

Em desenvolvimento nos últimos 5 anos, a nova Horex VR6 será fabricada na Alemanha e deverá ser apresentada na feira Intermot em outubro deste ano, devendo ir à venda ao final de 2011 na Alemanha, Áustria e Suiça, ampliando sua distribuição para o mercado europeo ao longo de 2012 e, posteriormente, para os EUA e Japão.

A nova Horex VR6 é equipada com um motor muito compacto de 1218cc e 6 cilindros em "V" a 15º, o qual deverá ter potência máxima em torno dos 200 CV. O peso estimado da moto está em 240 quilos e sua velocidade máxima deverá ser de 250 Km/h. O câmbio será de 6 marchas.

As rodas serão de alumínio e os pneus foram dimensionados em 120/70 ZR17 na dianteira e 190/55 ZR17 na traseira. O sistema ABS está previsto como equipamento de série.

O preço final sugerido deverá ficar acima dos vinte mil euros.













Produtora anuncia que 'Rock band 3' chega no dia 26 de outubro


Teclado e guitarra 'profissional' são as novidades do jogo.
Game traz 83 músicas inéditas de artistas como Queen e The Doors.
A produtora MTV Games divulgou que o game “Rock band 3”, terceira versão da série musical desenvolvido pela Harmonix, chega no dia 26 de outubro. A novidade é que um novo instrumento chamado de keytar, um teclado com 25 teclas, e a possibilidade de tocar as canções de modo “profissional” no Rock Band Pro.

O game está em desenvolvimento para o PlayStation 3, o Xbox 360, o Wii e o portátil Nintendo DS e trará 83 novas músicas de bandas como Queen, The Doors, Stone Tempel Pilots e muitos outros. As canções dos games anteriores, inclusive as adquiridas por meio de download, serão compatíveis, inclusive os instrumentos. Para jogar o modo “profissional”, contudo, é necessário ter os controles especiais.

O controle para o modo Rock Band Pro simula uma guitarra possui 102 botões no braço do instrumento, permitindo tocar notas e acordes como no instrumento real. Ela custará US$ 150 no mercado norte-americano. Já o keytar, o teclado, custará US$ 80 ou US$ 130 com o jogo. Ambos “controles-instrumentos” são acessórios MIDI, send compatíveis com programas de computador, por exemplo. Ainda, a fabricante de guitarras Fender desenvolverá um modelo Squier Stratocaster com tecnologia que permite ao game identificar as notas que o jogador toca e levá-las para o jogo. De acordo com a produtora, é o modo mais realista de se jogar “Rock band 3”.

Kinect, sensor de movimento do Xbox 360, custará US$ 150 nos EUA


Preço oficial foi divulgado nesta terça-feira (20) pela Microsoft.
Valor do acessório no Brasil ainda não foi revelado.
A Microsoft anunciou oficialmente nesta terça-feira (20) o valor do sensor de movimento Kinect, que será lançado nos Estados Unidos em novembro. O acessório, que trará na caixa um jogo "Kinect Adventures", custará US$ 150. O valor do produto no Brasil ainda não foi divulgado.

No mês passado, o sensor que leva os movimentos dos jogadores para dentro dos games sem a necessidade de joystick já estava em pré-venda na loja oficial da empresa, a Microsoft Store, por esse valor. O pacote do Xbox 360 Slim 4GB, o acessório e o jogo custará US$ 300.

A data de lançamento nos Estados Unidos é prevista para o dia 4 de novembro. No Brasil, o produto deve chegar antes do fim do ano, mas a data ainda não foi confirmada
Grandes redes varejistas nos Estados Unidos também já haviam começado a a pré-venda do Kinect, a US$ 150. Na semana da apresentação oficial do Kinect nos EUA, o brasileiro Alex Kipman – criador do conceito que promete revolucionar o mundo dos games – concedeu entrevista ao G1 e ao Fantástico, da TV Globo.

O Kinect, com o qual jogadores controlam jogos com movimentos corporais, sem usar controles, é considerado um aparelho revolucionário no mercado de games e deve gerar uma recuperação nas vendas do Xbox antes do Natal. A expectativa é de que o Kinect atraia novos jogadores casuais para o console da Microsoft, frente à concorrência do Wii, da Nintendo, e do PlayStation 3, da Sony.

O sensor foi anunciado na feira de videogames E3 no ano passado, sob o codinome de “Project Natal”, e foi lançado oficialmente no mesmo evento deste ano que ocorreu em Los Angeles.

Telefônica quer investir R$ 930 milhões em banda larga em 2010

Valor representa um aumento de 24% nos investimentos em internet rápida.
A partir de agosto mensalidade de Speedy de 2Mbps será R$ 69, diz empresa.
A Telefônica promete aumentar em 24% os seus investimentos em banda larga em 2010. A companhia anunciou nesta terça-feira (20) que vai aplicar R$ 930 milhões em seus serviços de acesso à internet, montante que representa 40% dos investimentos totais da empresa previstos para este ano. No ano passado, os investimentos no Speedy, o serviço de banda larga da Telefônica, somaram R$ 750 milhões.

“Não teremos mais problemas com o Speedy”, garante Fábio Bruggioni, diretor-executivo do Segmento Residencial da Telefonica. “Tivemos um período de fortes chuvas em São Paulo e nenhum problema foi registrado”, enfatiza.

Em 2008 e 2009, a operadora registrou graves falhas em seu serviço de acesso à internet, que levaram a Agência Nacional de Telecomunicações (Anatel) a impor à empresa uma série de exigências para garantir a qualidade dos serviços prestados aos clientes. No começo do mês, a Anatel declarou que todas as exigências foram cumpridas, mas a Associação dos Engenheiros de Telecomunicações (AET) pediu ao órgão regulador que acatasse como denúncia sua avaliação de que a Telefônica não realizou os investimentos estimados.

Bruggioni afirma que a prova de que todas as exigências foram cumpridas e de que a qualidade do serviço foi aperfeiçoada é a redução de 80% nas reclamações registradas junto ao Procon e à Anatel.

Neste ano, até o dia 15 de julho, a Telefônica ampliou sua base de assinantes em 14%, contabilizando 363 mil novos clientes. Com a expansão, a companhia atingiu a marca de 3 milhões de usuários do Speedy em São Paulo, atendendo a 23% dos domicílios no estado. “Estamos crescendo três vezes mais que a concorrência”, destaca Bruggioni.

Além da melhoria na qualidade do serviço, a Telefônica atribuiu seu crescimento em banda larga ao novo modelo de comercialização do produto. “Começamos a vender ‘porta-a-porta’ e a aceitabilidade foi muito boa”, diz Bruggioni.

O foco de vendas da operadora tem sido as classes C e D, compostas por famílias com renda líquida de até R$ 2.700. Neste ano, 86% dos novos clientes do Speedy se concentraram nesta faixa.

A forte redução de preços dos serviços de banda larga também é apontada como um dos fatores que contribuíram para a expansão do negócio. O Speedy com velocidade de 2 Megabits por segundo (Mbps), segundo a empresa, foi barateado em 80% desde seu lançamento, passando de R$ 410 em 2000 para os atuais R$ 78,85. A companhia ainda promete baixar mais seus preços a partir de agosto, com o serviço passando a custar R$ 69.

Com isso, a expectativa da Telefônica é manter o ritmo acelerado de crescimento, fechando 2010 com 3,5 milhões de assinantes do Speedy.

Sinergia com a Vivo

Embora a Telefônica evite comentar qualquer assunto relacionado às negociações com a Portugal Telecom para aquisição da Vivo, a companhia admite que o controle sobre a operadora de telefonia móvel ajudaria a impulsionar suas vendas, já que facilitaria a oferta de pacotes de serviços.

Diretor de 'Transformers' produzirá filme em 3D de 'João e Maria'


Trama terá, além da casa de doces da bruxa, aparição de seres mitológicos.
Membro da equipe de 'Avatar' será responsável pelo visual dos monstros.
A produtora The Insitute, de Michael Bay (diretor da franquia "Transformers"), fará uma versão em 3D do clássico infantil "João e Maria", informa nesta terça-feira (20) o site ComingSoon.net.

De acordo com a página o filme terá, além da casa de doces da bruxa na floresta, a presença de seres mitológicos - que ficariam a cargo do designer Joseph C. Pepe, da equipe de "Avatar".

O filme tem previsão de ser lançado no primeiro trimestre de 2011 e teria suas locações sediadas na Alemanha.

Mais clássicos infantis nas telonas
Já os estúdios Disney planejam levar às telas uma versão da fábula infantil "Cinderela" filmada com atores.

Segundo o site Deadline, a empresa já estaria em fase inicial de planejamento para a realização do longa-metragem.

A página cita o sucesso de "Alice no País das Maravilhas", de Tim Burton, como o fator que impulsionou os estúdios a levarem o projeto adiante.

O roteiro da versão cinematográfica da história da menina que torna-se uma princesa ficará a cargo de Aline Brosh McKenna, de "O diabo veste Prada".

Não falta mais PS3 nos EUA

O fim da escassez foi anunciado pela Sony





A Sony Computer Entertainment America fez questão de anunciar que a escassez de Playstation 3 no mercado norte-americano é coisa do passado.

"Os problemas do stock do PS3 foram solucionados e o mês de junho de 2010 marca o décimo primeiro mês consecutivo, em relação ao ano anterior, em que a plataforma sofre um crescimento," disse a companhia num comunicado à imprensa.

A Sony fez questão também de mencionar que existem perto de 13 milhões de PS3 nos lares norte-americanos e que as vendas de consoles subiram 85% desde junho de 2009 e 42% desde janeiro de 2010.

Jogo em 3D acessíveis em 10 anos

Jogos serão novidades ainda em 2015





Michael Pachter, analista da Wedbush Morgan, diz que jogar em 3D deverá ser uma novidade para a maioria das pessoas em 2015. Segundo Pachter, a TV em 3D vai demorar até chegar as casas dos jogadores e que o preço dos óculos 3D terá de baixar. Enquanto alguns dos jogadores irão comprar a tecnologia 3D para poderem experimentar novos jogos, "a grande massa não o fará" até que os preços dos equipamentos necessários baixem.

"Antes do 3D se instalar, as TVs 3D e o conteúdo em 3D terá de se tornar disponível e os óculos terão de ficar mais baratos. Enquanto a audiência da TV em 3D for fraca, a dos jogos em 3D também será e continuará uma novidade, o que acontecerá, pelo menos, nos próximos cinco anos." disse Pachter.

"Talvez em 10 anos o 3D comece a ser bem sucedido" acrescentou.

Os incríveis games de Super-heróis


Wolverine (James “Logan” Howlett)

Poderes: Garras, esqueleto de Adamantium (Arma X) e capacidade mutante de regeneração

Quando apareceu nas histórias do Incrível Hulk, no começo dos anos 1970, ninguém poderia imaginar que Wolverine se tornaria maior do que o próprio monstro verde. Logan, como é conhecido esse herói temperamental, sempre teve passagens inesquecíveis pelos games. Talvez alguns não se lembrem do lendário “The Adamantium Rage”, mas certamente não se esquecem das séries de luta da Capcom baseada nos X-Men, inclusive a popular série “Versus” (“Marvel vs Capcom”, “X-Men vs Street Fighter”, etc). O último game de Logan é fraco “X-Men Origins: Wolverine”, lançado em 2009 e baseado no filme do mesmo nome.

Os incríveis games de Super-heróis


Spider-Man (Peter Parker)


Poderes: Habilidades aracnídeas e paciência para aguentar o JJ Jamerson (editor-chefe do jornal que ele trabalha)

Antes de ser picado por uma aranha radioativa, Peter Parker era apenas um nerd dedicado à família e a uma vida rotineira, num apartamento velho em Nova Iorque. Já como Homem-Aranha, ele se tornou um mito. Combateu criminosos, megalomaníacos, conquistou a linda Mary Jane e, de quebra, se tornou o herói com mais games no currículo. São quase 30 títulos desde 1982, inclusive os clássicos “Maximum Carnage”, “Separation Anxiety” e “The Amazing Spider-Man vs The Kingpin”. O novo game, “Shattered Memories”, será lançado para DS, Wii, 360 e PS3 também no dia 7 de setembro (o que significa que nosso Dia da Independência será bem produtivo). Ah! Peter Parker também é jornalista (fotógrafo)... Chega! Vou ao Sindicato reclamar os super poderes que devo ter direito!

Mega Man Universe’ é anunciado para as redes Live e PSN


Capcom garante que esta é a experiência mais criativa da série, onde a imaginação é a estrela do jogo

A Capcom Entertainment Inc. anunciou hoje (16) que “Mega Man Universe” chegará às redes online Xbox Live e PlayStation Store. “Mega Man Universe”, o título mais recente da série, terá uma tomada revolucionária do clássico

“Mega Man” possui um legião de fãs desde sua estreia em 1987 e manteve-se um ícone do videogame, tendo estrelado em mais de 140 títulos ao longo dos últimos 22 anos. A ligação que ele fez com a cultura pop em geral foi muito além de jogos, chegando a desenhos animados, brinquedos, roupas, histórias em quadrinhos, refeições infantis, e muito mais.

Parte do que é impulsionado pela popularidade da série, é a capacidade de evoluir de forma consistente ao longo do tempo e ainda reter a experiência de jogo viciante que define os jogos “Mega Man”.

Para o próximo capítulo, a Capcom pretende entregar o personagem Mega Man a uma experiência ainda mais criativa. Em “Mega Man Universe”, a imaginação é a estrela do jogo.

"Estamos emocionados de finalmente poder anunciar ‘Mega Man Universe’", disse Kenji Inafune, chefe de Pesquisa e Desenvolvimento em Gestão para Capcom Entertainment. "Esse jogo vai quebrar o molde e desafiar a sabedoria convencional do que um jogo de ‘Mega Man’ pode ter. "

Inafune está empenhado em ajudar a criar uma experiência para “Mega Man” que satisfaça as mais elevadas expectativas dos fãs da Capcom. Os jogadores podem esperar de “Mega Man Universe” muita inovação junto do requinte clássico da série. A data de lançamento para o game ainda não foi anunciada.

Plataforma: _Xbox 360_ | _PS3_

Twitter vai vender seguidores

segunda-feira, 19 de julho de 2010

Twitter vai vender seguidores para incrementar perfis, afirma jornal Folha OnlineO blog All Things Digital, do diário econômico norte-americano "The Wall Street Journal", afirmou que o serviço de microblogs Twitter deve vender seguidores para aqueles que desejam mais pessoas lendo os respectivos tuítes postados.

Segundo o blog, "pessoas familiarizadas com os planos da companhia" disseram que a medida está sendo discutida como uma outra fonte geradora de lucros --tal como o tuíte promocional, mas com contas específicas de usuários, especialmente desenhadas para "anabolizar" o perfil, a partir do aumento do número de seguidores.

"Minhas fontes não tinham certeza sobre o modelo de negócios por trás do produto, algo que pode ocorrer porque o próprio Twitter não sabe ainda", diz o All Things Digital.

O Twitter não confirmou --tampouco desmentiu-- os planos ainda. "Alguns [produtos] estão sendo testados publicamente agora. Outros serão testados logo. E outros são apenas ideias que estamos levantando para avaliação", disse o porta-voz da companhia, Sean Garret.

O tema é polêmico, conforme a Folha informou no ano passado. O blogueiro Cris Dias, cujo número de seguidores ultrapassa os 15 mil, é contra, e disse que a prática de anabolizar perfil é semelhante a "silicone": "Você sabe que é falso, que não nasceu 'peituda'", declarou.

Maior favela do Brasil conta com internet sem fio

Governo do Rio leva internet sem fio gratuita à favela da RocinhaAgência BrasilA partir desta semana, mais de 100 mil moradores da Rocinha, na zona sul do Rio, têm acesso gratuito à internet sem fio. A Secretaria de Ciência e Tecnologia também disponibilizou em seu portal virtual cursos profissionalizantes e serviços para os internautas da comunidade.

Três comunidades já dispõem de rede de internet sem fio gratuita. São elas Santa Marta e complexo Pavão-Pavãozinho/Cantagalo, na zona sul da cidade, e Cidade de Deus, na zona oeste. Em todas elas há também UPPs (Unidades de Polícia Pacificadora).

O centro do Rio também recebeu o sistema Wi-fi de internet sem fio na semana passada, onde foram instalados 14 rádios de transmissão. As instalações fazem parte do programa Rio Estado Digital do governo estadual, que pretende cobrir também a zona portuária e comunidades da região, como o Morro da Providência, que recentemente ganhou uma UPP

Capital estrangeiro na internet

Empresas brasileiras de comunicação querem restringir capital estrangeiro na internetAgência BrasilAs grandes empresas de rádio, televisão e jornais querem que a participação do capital estrangeiro no controle dos portais da internet fique restrita a 30%, conforme estabelece o Artigo 222 da Constituição Federal. O artigo restringe o controle da propriedade de empresas jornalísticas e de radiodifusão (som e imagem) a brasileiros natos ou naturalizados há mais de dez anos e a empresas com sede no país.

“As regras valem para todas as empresas jornalísticas, independentemente do meio pelo qual elas difundem suas informações”, acredita o advogado Gustavo Binenbojn, consultor da Associação Brasileira de Emissoras de Rádio e Televisão (Abert). A mesma opinião tem Kalled Adib Antonio, da Associação Brasileira de Radiodifusores (Abra): “A Constituição tem que ser cumprida. O capital estrangeiro não pode ter portal na internet e TV a cabo”, acrescentou.

A Abra e a Abert participaram na última quarta-feira (8) de audiência pública sobre a participação do capital estrangeiro na Comissão de Ciência e Tecnologia, Comunicação e Informática (CCTCI) da Câmara dos Deputados. Gustavo Binenbojn disse aos parlamentares que as regras têm como finalidade a preservação da cultura nacional.

O argumento, no entanto, é questionado por especialistas como o professor da Universidade de Brasília (UnB) Venício Artur de Lima, autor de 11 livros sobre comunicação de massa. Para ele, a posição das empresas brasileiras de comunicação tem a ver com os interesses financeiro e político. “A atividade econômica nas comunicações envolve a produção de capital simbólico, que tem o valor muito alto. Além disso, a atividade assegura uma fatia de poder”, disse Lima à Agência Brasil.

Binenbojn admitiu o interesse econômico. “Secundariamente, existe uma preocupação de que o mercado nacional não seja inviabilizado por uma competição predatória. Isso é uma razão relevante para fortalecer o mercado jornalístico. O interesse nacional está também no funcionamento saudável das empresas do ponto de vista financeiro”, avaliou.

Para Venício Lima, as empresas de rádio, TV e jornal estão “lutando para manter o que têm”. O esforço, no entanto, pode perder o sentido: “O que vai surgir após a [atual] transição tecnológica ninguém sabe”.

Essa também é a opinião do deputado Jorge Bittar (PT-RJ), membro da CCTCI, que teme que a manutenção das atuais restrições seja inócua no ambiente eletrônico: “Nada impede que o portal se transfira do país e opere em outro lugar com conteúdos brasileiros e estrangeiros”.

O parlamentar ressalta que o controle acionário da empresa não necessariamente assegura a veiculação de conteúdos nacionais. “Podemos ter uma empresa controlada por brasileiros em que os conteúdos veiculados não sejam majoritariamente brasileiros”, lembrou.

A Abert e a Associação Nacional de Jornais (ANJ) estão aguardando resposta do procurador-geral da República, Roberto Gurgel, quanto à representação que fizeram em abril contra um portal da internet de capital espanhol que também veicula notícias. Parecer da Consultoria Jurídica do Ministério das Comunicações, publicado em maio, admitiu que a regra constitucional vale também para a internet, mas que não compete ao ministério fiscalizar o meio.

O tema deverá ser contemplado no Marco Regulatório Civil da Internet que o Ministério da Justiça prepara, após consulta pública desde outubro do ano passado. A Conferência Nacional de Comunicação, realizada em dezembro de 2009, propôs diminuir a participação do capital estrangeiro para 10%.

LG apresenta notebooks com tecnologia 3D na Coreia do Sul


Empresa quer aumentar as vendas em 30% em 2011.
TVs impulsionam comércio de produtos com a tecnologia.

Do G1, com informações da Reuters

imprimir
A sul-coreana LG Electronics lançou nesta segunda-feira (19) três modelos de notebooks 3D. A companhia informou que pretende aumentar as vendas de notebooks 3D em 30% em 2011, num momento em que a empresa faz grande aposta nas vendas de produtos compatíveis com a tecnologia, liderados pelos televisores.

A LG, segunda maior fabricante de televisores do mundo, prevê vendas globais de notebooks 3D crescendo cinco vezes no próximo ano, para 1,1 milhão de unidades, saltando a 13,8 milhões em 2015.

A LG apresentou nesta segunda-feira (19) em Seul, na Coreia do Sul, seu notebook XNote 3D, compatível com a tecnologia de três dimensões. A empresa, segunda maior fabricante de TVs do mundo, afirmou que vai investir na produção de computadores 3D. (Foto: Truth Leem/Reuters)"Com a disponibilidade de mais conteúdo 3D, os consumidores estão aproveitando uma nova experiência e acreditamos que isso vai puxar o crescimento do mercado de computadores 3D", disse Harrison Park, diretor de comunicação da área de PCs a jornalistas.

O interesse em 3D tem crescido mais rapidamente parcialmente por causa do filme "Avatar", lançado no final de 2009, que sozinho foi capaz de aumentar a percepção do consumidor norte-americano da tecnologia de 40% para 60%. A companhia sul-coreana afirmou este ano que pretende vender 1 milhão de televisores 3D este ano.

Grife lança camiseta e vestido para geeks carregarem o iPad com estilo


Modelos iTee e iDress têm bolsos acolchoados e reforçados para levar tablet.
Peças desenvolvidas pela marca australiana iClothing custam US$ 40 cada
A camiseta iTee e o vestido iDress foram criadas para levar o iPad. (Foto: Montagem com fotos de divulgação)O iTee e o iDress são uma camiseta branca e um vestido preto, respectivamente, desenvolvidos especialmente para os fãs da Apple guardarem seus iPads sem descuidar do estilo. As peças básicas assinadas pela marca australiana iClothing trazem bolso acolchoado reforçado, na medida para o usuário levar o tablet da Apple com conforto e segurança. A t-shirt e o pretinho básico saem por US$ 40 cada.

http://g1.globo.com/tecnologia/noticia/2010/07/grife-lanca-camiseta-e-vestido-para-geeks-carregarem-o-ipad

Vendas de e-books superam as de livros de capa dura, diz Amazon


Em junho, para cada 100 livros de capa dura foram vendidos 180 livros Kindle.
Para fundador, corte no preço do dispositivo incentivou aumento de downloads.
A Amazon.com anunciou nesta segunda-feira (19) que as vendas de livros para o formato Kindle, e-reader da companhia, superaram as do formato convencional de capa dura.

“A taxa de crescimento de vendas de unidades de dispositivos Kindle triplicou desde que baixamos o preço de US$ 259 para US$ 189”, disse Jeff Bezos, fundador e diretor-executivo da Amazon.com, em comunicado. “Além disso, mesmo com as nossas vendas de (livros de) capa dura continuando a crescer, o formato Kindle já ultrapassou o formato de capa dura. Os clientes da Amazon.com agora compram mais livros Kindle do que livros de capa dura – impressionante quando você considera que nós vendemos livros de capa dura há 15 anos, e livros Kindle há 33 meses”, destacou.

De acordo com dados da Amazon.com, ao longo dos últimos três meses, para cada 100 livros de capa dura vendidos pela companhia, eram vendidos 143 livros Kindle. No mês passado, para cada 100 livros de capa dura foram vendidos 180 livros Kindle. O resultado comparativo considera apenas as edições convencionais que não tenham versões para Kindle, além de descartar os e-books gratuitos disponíveis para o Kindle.

A Amazon vendeu mais de 3 vezes mais livros Kindle no primeiro semestre de 2010, no que no mesmo período do ano passado. Dados da Associação Americana de Editores apontam que as vendas de e-books cresceram 163% no mês de maio e 207% se consideradas as vendas no mesmo período do ano passado.

A Kindle Store conta com uma oferta de mais de 630 mil e-books, sendo que mais de 510 mil títulos custam até US$ 10, segundo a Amazon. Além disso, há mais de 1,8 milhão de livros digitais gratuitos disponíveis para download na loja virtual.

Scooters tunadas viram mania no Japão

Rebaixadas e incrementadas, motos modificadas são sucesso entre os japoneses

da Redação

Os japoneses sempre lançam moda. Desta vez, a terra do sol nascente vive um modismo de tunning em scooters. E transformam modelos em algo irreconhecível, quase obras de arte dignas de uma exposição em uma galeria. A "nova moda" só não vai agradar aos puristas.










Hypermotard 1100 Evo acelera na Itália



Moto da Ducati ganha sobrenome "Evo", sinônimo de mais potência e melhorias mecânicas

por Carlo Valente, do InfoMotori/Itália
exclusivo para MotorDream

Em uma época em que os modelos passam por mudanças estéticas frequentemente, mas mantendo suas características técnicas e de desempenho, a Ducati vai contra a tendência. A Hypermotard 1100 Evo já era esteticamente bonita, mas mudanças em sua mecânica a fizeram chamar mais atenção ainda.

Talvez aquela pessoa menos observadora nem perceba que a Hypermotard mudou. Observando a distância parece igual, mas ao se aproximar percebe-se a inscrição "Evo" , e então se vê que há algo de diferente. Sua estética e essência permanecem iguais, mas não se engane, a Hypermotard passou por uma "dieta" e motor e chassi perderam respectivamente 5,2 kg e 1,8 kg.

Os 90 cv que a moto gerava eram de bom tamanho. Mesmo assim a Ducati não estava satisfeita e aumentou para 95 cv a potência da motocicleta. Os olhares mais clínicos poderão não ver, mas a moto ainda teve filtro de ar e sistema de lubrificação melhorados, dutos de ar substituídos e recebeu pistões novos. Suspensão e freios também foram revistos e recalibrados.

As rodas são as mesmas, de alumínio e 17 polegadas. No painel o sistema DDA - Ducati Data Analyser - transfere os dados relacionados ao desempenho na pista para análise do motociclista. O preço não sofreu grandes alterações e segue na faixa de 11.700 euros, cerca de R$ 25,5 mil.

Primeiras Impressões

Fazer uma viagem de 400 km com a Hypermotard 1100 é andar cada quilômetro com paixão, mesmo a mais de 130 km/h nas estradas e com todo o "vento na cara" . A princípio se estranha a posição das marchas, que não são facilmente acionáveis, já que o pé deve ficar sempre na vertical. Mas depois se acostuma. O que mais agrada na motocicleta é seu bom desempenho para fazer curvas, a Hypermotard tem uma facilidade impressionante neste quesito.

Apesar de não contar com ABS, o freio é bastante eficiente, sendo capaz de parar a moto percorrendo uma distância mínima e em segurança. Depois de um tempo de viagem, percebe-se que a motocicleta não cansa, graças a boa posição em que ficam braços e costas. A posição de condução é ótima. Até mesmo as vibrações, comuns nas motos similares, foram pouco sentidas nesta Hypermotard, deixando-a ideal tanto para uma condução em áreas urbanas e estradas, como para encarar terrenos mistos.

Não agrada nela a posição dos espelhos, que seguem a linha do guidon e que são inúteis em quase todas as ocasiões do trânsito, salvando raras exceções em cidades. Outra falha é a ausência de espaço para um armazenamento mínimo de qualquer coisa, até mesmo um cadeado.

A Hypermotard 1100 Evo confirma ser uma moto excelente e divertida. Surpreende sua facilidade para fazer curvas e pode ser uma moto boa para a cidade. A versão "Evo" é mais cativante que a normal, podendo até mesmo "assustar" os pilotos mais inexperientes. Mas se dirigida com muita precaução, vai gerar bastante divertimento, afinal é uma moto excelente e com equipamentos da mais alta qualidade.



Nova Honda VFR1200F: tecnologia e conforto


A VRF 1200F é a primeira moto com câmbio automático e dupla embreagem

do InfoMotori/Itália
exclusivo para MotorDream

A nova Honda VFR1200F chega às concessionárias da Itália na próxima sexta-feira, 28 de maio, pronta para ser admirada pelos fãs que a esperam com ansiedade. Com essa moto, a fábrica japonesa antecipa o futuro do motociclismo e propõe uma nova tecnologia eletrônica de dupla embreagem DCT - Dual Clutch Transmission. Pela primeira vez uma moto tem controles eletrônicos de embreagem e caixa de velocidades.

Os designers e engenheiros da Honda chegaram com esta versão da VFR1200F DCT em um novo patamar no design e funcionalidade. Tudo isso para o condutor viver uma experiência de condução inteiramente nova. O câmbio eletrônico de seis velocidades, em conjunto com a dupla embreagem DCT, não decepcionam quem procura uma condução esportiva, porque o desempenho da VFR não deve nada a outras motos da sua categoria, já que oferece também mais conforto.

A caixa de câmbio de dupla embreagem eletrônica tem os modos de funcionamento automático - AT - e manual - MT -, a fim de se adaptar ao estilo de condução preferido pelo piloto, que pode alternar entre os modos através de comandos no guidom. No modo AT as mudanças de velocidade são feitas por um microcomputador, que controla o comportamento da moto.

Quando a moto está no modo AT, o condutor pode usar o polegar direito para optar entre o modo "D", para conter o consumo, e o "S" para aumentar o desempenho. Enquanto o computador controla a embreagem e as marchas, o piloto é livre para se concentrar na estrada e desfrutar da condução. No modo MT, a mudança de marchas é feita utilizando os comandos no guidom, com o dedo indicador e o polegar da mão esquerda, sempre selecionando "+" ou "-", respectivamente. Desta forma, o condutor deve ter uma tarefa de pensar menos e se preocupar mais com o tráfego da cidade ou desfrutar do prazer de condução em uma viagem.

BMW S1000RR em teste nas pistas italianas









Superesportiva se destaca com mistura de potência, design arrojado e tecnologia

por Carlo Valente
do InfoMotori.com/Itália
exclusivo para MotorDream

Considerada uma das maiores inovações dos últimos tempos e uma das motos mais desejadas para as pistas, a BMW S1000RR apresenta brilho e personalidade estética. O modelo chama atenção não só pelos faróis assimétricos típicos da casa alemã, mas também pela "explosão eletrônica" que a BMW proporciona, graças à sua vasta experiência no mundo das motocicletas.

Na parte mecânica, há inovações como pistões ovais da Honda ND. O motor é um quatro cilindros - em vez do tradicional Boxer - que entrega 193 cv a 13 mil rpm. E tem torque máximo de 11,4 kgfm a 9.750 rpm.

A S1000RR faz a diferença, como já mencionado, na parte eletrônica. O modelo conta com quatro modalidades de condução: “Rain”, “Sport”, “Race” e “Slick”. A seleção do tipo de tocada deve ser feita por meio de um botão que está posicionado no punho direito. Ainda estão presentes freios com ABS especialmente desenvolvidos para as pistas e um exclusivo Controle Dinâmico de Tração, o Dynamic Traction Control - DTC.

Apesar de não ser pequena, a motocicleta pesa bons 183 kg - 204 kg em ordem de marcha. O resultado é uma boa relação peso-potência, o que proporciona o máximo da experiência esportiva do modelo.

O preço da BMW na Europa pode parecer surpreendente a primeira vista. A S1000RR parte de 15.850 euros, ou R$ 36,7 mil, na versão básica. Com o DTC, ABS e outros equipamentos eletrônicos, o preço sobe para 17,4 mil euros, algo em torno de R$ 40 mil, número próximo a suas concorrentes.
Primeiras Impressões

A posição de dirigir é como uma SBK: rígida e carregada no guidão, o que é essencial para seu controle. Basta ligá-la e o motor emite seu som, talvez uma das poucas falhas da moto, com um timbre anônimo similar ao das motocicletas produzidas no Japão.

A condução tranquila esconde as maiores qualidades desta BMW. Caso a mudança de marcha seja feita até as 7 mil rpm, a "paz" prevalece. Com a troca acontecendo aos 12 mil rpm a história é diferente. E a S1000RR "pula a frente" e mostra sua progressão rápida e impetuosa. Logo se percebe o grito do motor, mesmo havendo ainda mais 2 mil rpm disponíveis.

A caixa de velocidade é muito suave e a embreagem é extremamente precisa. Nas retas, a moto anda como um relâmpago, sempre transmitindo estabilidade, colada no chão. Os freios são excelentes e o ABS é um dos melhores.

Maravilhoso também é o controle de tração, que funciona sem que o motociclista perceba, e que faz qualquer um pensar ser um Valentino Rossi. Se no modo Rain - chuva - a energia é cortada e o motor fica mais "manso", os outros três modos de condução - Sport, Race e Slick - mostram a cavalagem extrema da moto. Sempre agindo com máxima segurança.

Não há dúvida de que a S1000RR é uma verdadeira joia da tecnologia. Seu desempenho é excelente e o tempo obtido nas voltas do circuito de testes demonstram como essa tecnologia ajuda. É tanta perfeição que isso pode ser um ponto negativo para os pilotos antigos. Aqueles que admiram motos brutas e "fujonas". A S1000RR, por sua vez, anda como um robô alemão, sempre na linha e sem sustos.

Veja alguns conselhos para escolher sua primeira moto


Moto 125, scooter e CUB: veículos de duas rodas são cada vez mais procurados
para evitar o transporte público, o congestionamento, ou a conta de combustível

Transporte público ineficiente, recordes de congestionamento, combustível caro... não importa o motivo, muitas pessoas têm visto nos veículos de duas rodas uma opção mais barata e rápida de se locomover nas grandes cidades. Depois de convencer o companheiro de que a motocicleta pode não ser um veículo tão perigoso, chega a hora de escolher a primeira moto.

Surge então a dúvida: qual a melhor opção? Para os iniciantes que querem fugir do ônibus lotado ou trocar as quatro rodas por duas, aconselha-se uma moto de baixa capacidade cúbica (aquelas cujo motor tem 50 a 150 cm³, fornecendo menor desempenho e força). Além de serem fáceis de pilotar, as pequenas são econômicas e driblam o trânsito urbano com maior desenvoltura.

Mesmo assim, o futuro motociclista vai ter de escolher entre inúmeros modelos. Há muitos anos, bastaria decidir se sua moto de 125 cm³ teria motor quatro ou dois tempos. Porém, com o crescimento do mercado de motocicletas na última década, os fabricantes apostaram em outros segmentos, como CUB e scooters. Genuinamente urbanos, esses dois estilos são excelentes para quem quer um veículo de duas rodas para ir e vir com economia e facilidade, mas têm suas limitações.

Para ajudar nessa escolha, a redação da Infomoto rodou diariamente com três legítimos representantes de cada categoria: a street Honda CG 125 Fan; a CUB Yamaha Crypton 115 e o scooter Dafra Smart 125. Este não é um comparativo entre os modelos, pelo contrário. Não há a melhor entre elas -- cada uma das três motos de estilos diferentes tem suas características, vantagens e desvantagens. O principal ponto para se levar em conta é o uso que cada um vai fazer destes veículos. Outro fator importante é o trajeto e a distância a ser percorrida diariamente.

CICLÍSTICA
Entre os modelos testados, apenas a Honda CG 125 Fan é uma motocicleta "de verdade”. A Crypton é uma CUB (Cheap Urban Bike, ou moto urbana de baixo custo, numa tradução livre) e o Smart é um scooter. A principal característica que diferencia a CG 125 dos outros estilos é que o piloto vai montado na moto, enquanto na scooter e na CUB o motociclista vai sentado.

Além disso, a moto tem quadro e suspensões mais robustos e rodas maiores (18 polegadas), itens que garantem mais estabilidade em altas velocidades e enfrentam melhor o asfalto ruim de nossas vias. Já os scooters têm rodas menores (no caso do Dafra Smart são de 10 polegadas) e foram projetados para o uso estritamente urbano, em velocidades mais baixas. A Yamaha Crypton tem rodas de aro 17, menores que as da CG, e seu quadro é do tipo underbone, comum na categoria. As CUB ou motonetas, aliás, podem ser consideradas um meio termo entre as motos e os scooters.

Outra grande diferença entre elas é o câmbio. A Honda CG 125 tem o sistema tradicional, ou seja, você precisa apertar a embreagem e trocar as marchas no pedal de câmbio com o pé. Já o Smart 125 traz transmissão continuamente variável que dispensa as trocas de marchas. No scooter o piloto só acelera e freia, as polias variáveis trocam a relação conforme aumento o giro do motor. Já a Crypton tem o câmbio semiautomático com embreagem centrífuga. O motociclista ainda precisa trocar as marchas no pedal, porém não há manete de embreagem. O sistema tem funcionamento automático. Assim que se pisa no pedal, a embreagem é acionada permitindo a troca de marchas.

DESEMPENHO
A diferença entre os sistemas de cada um dos modelos é fator determinante para escolher qual -- uma street de 125 cm³, uma CUB ou um scooter -- é a melhor opção para você.

O câmbio CVT e totalmente automático do Smart 125 é de longe o mais prático e fácil de pilotar. Ideal para enfrentar o trânsito urbano sem se preocupar em trocar de marcha ou apertar a embreagem, só acelerar e frear. Entretanto, o sistema não privilegia o desempenho e em modelos de baixa capacidade como o Smart limita a velocidade máxima. Sem falar que não há a possibilidade de reduzir uma marcha, caso haja uma subida íngreme pela frente. Mas se você roda apenas em ruas mais estreitas e não pega vias de trânsito rápido, um scooter é a opção ideal para você entrar no mundo de duas rodas.

Já a Crypton 115 cm³ oferece o conforto da embreagem automática com a possibilidade de se escolher a marcha ideal. Além de bastante fácil para iniciantes, o sistema permite retomadas mais ágeis e velocidades finais melhores do que no scooter. Outro ponto positivo da Crypton é seu pedal de câmbio com uma alavanca para o calcanhar, que permite a redução de marchas sem estragar o sapato. Essas qualidades fazem de outra CUB, a Honda 125 Biz, um sucesso: ocupa o posto de quarta moto mais vendida no Brasil em 2010.

Já a Honda CG 125 Fan salta na frente no quesito desempenho. Seu motor é o mais potente: 11,6 cavalos a 8.250 rpm (8,2 cv na Crypton e 10,3 cv no Smart). Mas nem é preciso ler a ficha técnica para chegarmos a essa conclusão. A possibilidade de escolher a marcha mais adequada e a embreagem manual fazem da CG 125 a mais rápida entre os três modelos -- o que vale também para outras motos street em comparação com CUBs e scooters.

Se por um lado oferece desempenho para você até encarar uma rodovia, o câmbio da CG 125 vai exigir um pouco mais de treino, ainda mais se você é iniciante. Outro detalhe é que, caso você precise use sapato, a constante troca de marchas no câmbio convencional vai estragá-lo com o uso.

PRATICIDADE
Se levarmos em conta o quesito praticidade, vitória disparada para os scooters. Pequenos e fáceis de pilotar, ainda contam com espaço sob o banco e porta-luvas no escudo frontal para carregar pequenos objetos. Sem falar na comodidade de não precisar trocar de marchas, além de evitar a sujeira e os respingos de poças d’água.

A Crypton oferece também a praticidade do escudo frontal e do câmbio semi automático, mas por ter rodas maiores não oferece um bom espaço sob o banco. Já no caso da CG 125, o motociclista vai ter que escolher um calçado mais resistente e ainda instalar um bagageiro e um bauleto, caso precise transportar alguma coisa todos os dias, ou carregar uma mochila pra cima e pra baixo.

USO E TRAJETO
Se até agora as características de cada um dos estilos mais o atrapalhou do que o ajudou a escolher seu primeiro veículo de duas rodas, chegamos aos quesitos determinantes para sua escolha. O uso que você fará do veículo e o trajeto que vai percorrer são fatores fundamentais.
Quer um veículo para percorrer os dez quilômetros de sua casa até o trabalho passando apenas por ruas e avenidas movimentadas? Vá de scooter. Prático, fácil e econômico, o Smart 125 vai agradar homens e mulheres que querem apenas fugir do trânsito.

Precisa usar sapato e circula por uma via expressa de trânsito mais rápido diariamente? Opte por uma CUB. Com desempenho superior aos scooters, rodas maiores e ainda com a facilidade de pilotagem, a Crypton 115 é um excelente meio de transporte, porém sem a praticidade do Smart.

Trabalha em outra cidade, trafega por uma rodovia e já tem mais experiência em duas rodas? Vá de 125. Afinal, a CG 125 Fan é uma motocicleta na definição do termo. Tem melhor desempenho, ciclística mais robusta e até 110 km/h acompanha os automóveis com facilidade. Vai exigir um calçado reforçado e mais “esforço” na pilotagem. A vantagem é que uma moto 125 cm³ é versátil o bastante caso você decida pegar uma estrada.

Qualquer que seja sua escolha seja bem vindo ao mundo das duas rodas. Não se esqueça de tirar carteira de habilitação (CNH) categoria “A”. Use sempre o capacete e equipamento de proteção e lembre-se: pilotar uma motocicleta, assim como qualquer outro veículo, exige cautela e atenção.